As dietas de desintoxicação funcionam?

Publicado em 01/10/2016

Não se assustem com a introdução filosófica demais, pois o assunto é muito interessante e esclarecedor! Durante milhares de anos, os humanos, como os outros animais, precisavam buscar comida todos os dias. Não havia como armazenar ou muito menos comprar alimentos. Portanto, não se sabia se haveria ou não comida, e esse processo fez do corpo humano uma máquina de armazenar energia. Era importante comer o máximo possível quando havia comida disponível, para armazenar energia, principalmente em forma de gordura, para os períodos de escassez.

A situação começa a mudar com a invenção da agricultura, que proporcionava o plantio e criação de animais controlada e garantia a comida. Junto com isso o ser humano começou a engordar, pois passou a se alimentar com mais arroz e trigo (lembra do problema dos carboidratos?), embora continuasse a comer gordura nas carnes.

Com as facilidades inventadas para armazenar e conservar comida, não é mais necessário entupir-se de calorias, mas o estrago genético está feito e o corpo continua pedindo mais e mais calorias, como na época das cavernas (olha os gordinhos arrumando uma explicação científica para a gula , hehe). Atualmente precisamos aprender a controlar o apetite e o que ingerimos, para não cair na armadilha genética do armazenamento, e também, é claro, para ter um corpo bonito e saudável.

As chamadas dietas de desintoxicação, pregam períodos com ingestão extremamente reduzida de calorias e macronutrientes, em alguns casos pregando até o jejum.

Fazendo isso você pode emagrecer em um primeiro momento, principalmente pela perda de água (o corpo não queima mais que 750 gramas de gordura por semana), mas rapidamente o corpo detecta o estado de privação, desacelera o metabolismo e passa a queimar menos calorias e tentar manter os estoques de gordura. Adivinha o resultado: em pouco tempo você volta a engordar e continua com os resíduos e a gordura que tentava eliminar.

Quem pretende fazer uma dieta de desintoxicação de baixíssimas calorias, para um momento de “emergência”, deve planejá-la para durar dois ou três, e a partir daí retomar uma alimentação equilibrada. Agora, gordinhos e gulosos de plantão, por favor, não usem a genética da pré-história como desculpa para a fraqueza da cabeça.

Você tem o poder de dominar seu corpo, use a seu favor!

Flávio Settanni