Última chamada para o fim da obesidade!

Publicado em 01/09/2016

Chegamos ao capítulo final da “minissérie” de dicas para combater a obesidade! Vamos ao próximo tópico, que fecha nossa lista:

 Programa de treinamento de musculação

Por mais incrível que possa parecer, o “treinamento de musculação” é a grande estrela do programa de exercícios. Eu digo isso baseado no fato de que um trabalho bem feito nessa área é capaz de ajudar em diferentes aspectos, que eu cito a seguir:

* Aumento do tônus muscular, que dá a sensação de que seu corpo está vivo debaixo da camada de gordura;

* Possibilidade de mexer todos os músculos do corpo com segurança e em aparelhos ergonomicamente ajustáveis para diversos biotipos e tamanhos;

A aceleração do metabolismo causada pelo aumento da massa muscular.

Esse último item requer uma explicação mais detalhada. Quando fazemos qualquer tipo de exercício aeróbio, o corpo metaboliza uma mistura de carboidratos e gordura. Se o exercício for realizado corretamente, no máximo 40% da energia gasta será proveniente da gordura, então teremos no máximo uma hora de exercício com 40% das calorias perdidas vindas da gordura.

Já quando o aluno é submetido a um trabalho de musculação visando a recuperação da massa muscular e o aumento de tônus, a energia gasta durante o treinamento é proveniente quase toda dos carboidratos, mas o aumento da massa muscular causa a aceleração do metabolismo de repouso, pois é durante o repouso que o corpo realiza o processo anabólico de recuperação e construção do tecido muscular.

Como em repouso o corpo usa na mistura uma quantidade maior de gordura (algo em torno de 75%), esse é o processo mais eficiente para ajudar na redução da taxa de gordura e, ao mesmo tempo, trazer os outros benefícios já citados.

É importante lembrar 2 coisas: nesse processo, pois o corpo só aumenta a massa muscular quando os músculos são submetidos a um esforço razoável, e o professor é quem terá de estabelecer esse nível de esforço e o equilíbrio ideal entre eficiência e segurança, levando em consideração a situação física e médica do aluno.

* A perícia do professor é muito importante

* Para que ocorra a recuperação dos músculos treinados, é indispensável a determinação de um programa alimentar que tenha entre1,5 e 1,8 gramas de proteína por quilo de massa magra (peso corporal sem a gordura) por dia (a possibilidade desse procedimento fica sujeita a análise conforme a situação médica do paciente).

Portanto, aliando-se ciência, psicologia e determinação podemos conseguir que a atividade física não apenas auxilie como coadjuvante, mas seja um elemento de vital importância para o sucesso do objetivo final!

Bjo,

Flávio Settanni